O governo quer privatizar a Eletrobras e todas as empresas públicas que compõem o sistema elétrico nacional.
O que você acha disso?

SOU CONTRA a entrega do patrimônio brasileiro por meio da privatização.

 

SOU A FAVOR da privatização e dos consequentes aumentos na tarifa de energia.

Obrigado!
Seu voto foi armazenado com sucesso.


VER RESULTADO PARCIAL

Resultado Parcial

0

SOU CONTRA a entrega do patrimônio brasileiro por meio da privatização.

 
0

SOU A FAVOR da privatização e dos consequentes aumentos na tarifa de energia.

VOTAR NOVAMENTE
01/10/2018 11h42

Haddad assina carta compromisso para não privatizar Eletrobras

Fernando Haddad, candidato à presidência da República pela coligação “O Povo Feliz de Novo”, assinou no sábado (19/9), em Manaus (AM), carta compromisso com o setor elétrico e com as distribuidoras para manter o sistema elétrico com a Eletrobras. Ele também se comprometeu em fazer um referendo revogatório para as distribuidoras já privatizadas.

Veja:Carta Compromisso Haddad

O documento foi entregue pelo vice-presidente do Stiu-AM, Hirton Albuquerque, na passagem de Fernando Haddad pela cidade de Manaus e explicita: “firmo aqui o compromisso público de não privatizar e ser contra  à privatização do sistema Eletrobras e suas controladas”.

Em 20 de agosto último, no ato “Compromissos com o povo brasileiro para a soberania energética”, realizado em São Paulo, o candidato do PT já havia recebido da Plataforma  Operária e Camponesa de Água e Energia.

Leia esse documento: Compromissos – Plataforma – Geral

Manuela d’Ávila também recebeu manifesto
Em março, o Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE) participou em Belo Horizonte de um encontro com a então pré-candidata à presidência da República pelo PCdoB, Manuela d’Ávila, hoje vice-presidente na chapa de Fernando Haddad, onde lhe foi entregue o “Manifesto dos trabalhadores Eletricitários por um setor elétrico público, eficiente e para todos”.

No encontro, Manuela se posicionou contrária à venda da Eletrobras e afirmou que se eleita vai revogar toda e qualquer privatização.

De acordo com o manifesto, a energia elétrica é bem essencial para a qualidade de vida do povo e para o desenvolvimento da nação, por isso não pode ser vista como mera mercadoria submetida à especulação. Além disso, os eletricitários propõem a criação de um fundo nacional de equalização para beneficiar as empresas de distribuições de regiões sem viabilidade econômica, bem como, a reversão de todas as privatizações, alterações no marco regulatório e nos estatutos sociais das empresas do grupo Eletrobras realizadas durante a vigência do atual governo.

“Por não ter sido eleito pelo povo e por não ter apresentado ao escrutino das urnas esse programa de governo privatista, o atual governo não possui legitimidade para promover essa verdadeira dilapidação do patrimônio público. Portanto, é necessária a anulação de todos os atos lesivos derivados do governo Temer, inclusive as privatizações, normas regulamentares do setor elétrico e alterações estatutárias das empresas do grupo Eletrobras que as submetem aos interesses mercadológicos de curto prazo em detrimento de seu papel como executoras de políticas públicas e de agentes do desenvolvimento nacional”, afirma o documento.

Leia o Manifesto: Por uma Eletrobras pública, eficiente e para todos.

Fonte: http://www.fnucut.org.br


Notícias

Ver mais

DIVULGUE ESSA CAUSA!